18 dezembro 2010

Daqui a 8 dias é Natal - Celine Dion "The Christmas Song"

Eu sou como a maioria dos Portugueses, não sou excepção. Muitas vezes, bem que tento ser a excepção. Mas é mais forte do que eu. E, lá fui hoje para diversos centros comerciais, lojas na avenida da Igreja. Não sei o porquê. Mas, adoro fazer compras na avenida da Igreja, ou na avenida de Roma.

Existem males que por vezes veem por bem. Ou seja, foi o caso do sistema informático ter "brokado" por diversas vezes, até que fomos convidados a ir para casa. Não recebo as horas que não trabalhei, mas nesta altura...

Os meus pensamentos, já estão noutro lugar. Assim, lá aproveitei o dia de hoje, para ir fazer as compras de Natal.

Já despachei a familia directa e os apêndices(tios, primos). Desde a morte da minha avó, e mais tarde da minha mãe. O Natal deixou de fazer sentido para mim. Nestes últimos anos, vou a casa do mano, ou de um tio/primo(depende de ano para ano). Este ano, o jantar vai ser em casa da minha prima/madrinha. A Alzira é a minha prima, porque é filha do meu tio, irmão da minha mãe. E, como é mais velha do que eu, uns 15anos, foi minha madrinha de Baptizado.

A minha familia do lado da minha mãe(maternal), sempre foi, e continua a ser uma familia muito especial. Digo especial, porque este ano em casa da Zirinha, vão estar todos os filhos/as directos(primos directos) e os filhos destes. E todos nós nos tratamos por priminhos e priminhas. A Alzira é a Zirinha, eu sou o Pipo/Pipinho(Pipo para os colegas de escola. Pipinho para a familia toda, sem excepção). Muitas familias tratam os Filipes por Pipos. Eu sou o Pipo, porque os chiquinhos eram os porcos pequeninos da minha avó, os bácoros.

Para muitos de vós, um casamento "arranjado", pode ser coisa de novela ou então de cigano. A realidade, é que há muitos anos. Os meus Bisavós, fizeram o casamento da minha avó com o meu avô. Não havia amor entre eles, havia um respeito entre eles e uma "condição" de pocriar e de ter filhos...

Depois do casamento a minha avó ia engravidando e mais tarde dava à Luz. Teve diversos filhos e filhas. O primeiro filho foi um rapaz, e a minha avó passou a ser mais respeitada na aldeia. Isto passou-se em Portugal nos anos 30.

Atrás do meu tio Raul, seguiram-se mais 8 crianças. 5 gajas e mais 3 gajos. Como o primeiro foi rapaz! Tudo bem, nada apontar à senhora minha avó.

A educação que a minha avó, deu às crianças foi a mesma que ela recebeu. Pois o homem é que saía para ir trabalhar. A mulher ficava em casa a tomar conta das crianças e da criação(galinhas, porcos, patos, ovelhas), uma farmville ao vivo e a cores...

O meu tio Raul um dia apaixonou-se por uma rapariga, que era de uma das familias mais modestas(pobres mesmo), de uma das aldeias perto da aldeia onde moravam os meus avós. O meu avô não autorizou o namoro e muito menos o casamento. O meu avô chegou a oferecer dinheiro ao pai da rapariga, para que este a pudesse enviar para Lisboa para servir. Desse modo, o meu tio deixaria de a ver.

Alguns meses mais tarde, o meu tio casou com a filha de um amigo do meu avô. A rapariga era, e, é actualmente a minha tia Lurdes.

A irmã do meu tio Raul, a minha tia Isaura. Casou e teve uma menina em primeiro lugar e pediu ao meu tio Raul para ser o padrinho de Baptismo da menina. O meu tio Raul aceitou.

No dia do Baptizado, o padre perguntou ao meu tio Raul. Qual o nome da menina. Os padrinhos naquela altura é que davam os nomes aos afilhados ou às afilhadas.

Dentro da igreja, o meu tio em voz alta e em bom som, disse:

- A menina vai ter o nome da mulher que eu mais amei em toda a minha vida...

A minha tia lurdes, começa a ficar corada..., quando o meu tio diz:

- Alzira, Zirinha...

A Igreja fica em silêncio total. A minha tia quase que desmaia. E, assim nasceu os diminuitivos na nossa familia.

O meu tio Raul e a minha mãe, sempre tiveram uma grande aproximação e uma grande admiração um pelo o outro. Se não fossem irmãos, certamente se casariam...
O meu tio Raul faleceu com um cancro na cabeça. A minha mãe nunca aceitou a morte do meu tio e passados alguns meses, faleceu...
Por diversas vezes, a minha mãe antes de falecer. Dizia que tinha visto o meu tio no quarto, que tinham falado. Poucos minutos depois, dizia que tinha sonhado...

6 comentários:

Myke disse...

"Desde a morte da minha avó, e mais tarde da minha mãe"
Desde a morte da minha mãe, mais tarde do meu avô e após o meu pai ter decidido reconstruir a sua vida/familia, a posição da mamã e do avô passou a ser ocupada pela vovó, com grande desgosto do pai. Ele tb não comunicou aos filhos a intenção de reconstruir familia e eu não lhe comuniquei que o direito que nunca teve sobre a minha pessoa deixou de ter!
Há pessoas que fazem tudo para manter a familia unida...a mãe era uma delas!
Grande abraço
Feliz Natal

Blog Liker disse...

Em todas as famílias há sempre «aquele» pilar que vai compondo as coisas...

pinguim disse...

Francisco
que saudades de todos esses Natais com tanta gente e que não voltam mais...
Esse teu Tio Raul era um homem bem porreiro!!!

Francisco disse...

Olá Myke, é verdade. Só que no meu caso, os meus pilares, já são todos "estrelas no céu"...

O meu painão conta para a estatistica...

Feliz Natal

Abraço

Francisco disse...

Olá Blog Liker, sem dúvida alguma. O "Grande" pilar da minha familia sempre foi a minha avó materna...

Feliz Natal

Abraço

Francisco disse...

Olá Pinguim, é verdade que saudades.

A minha familia sempre foi muito unida e divertida. Num dos lados da casa da minha avó, estava o curral dos cavalos, burros, mulas. Nesta época, os animais iam pra junto das ovelhas. E, neste curral era feito um "Presépio", à porta aberta. Sendo uma das atracções da aldeia/vila, depois da missa do Galo...

E, a todos que visitassem o presépio, era entregue um pão feito pela minha avó/mãe ou tia...

Que saudades!!!!!!!!!!!!!!!

Feliz Natal

Abraço