26 dezembro 2013

Responsabilidade Social (Natal) - Ana Moura "Desfado"

Estamos em Época de Amor, Paz, muitos votos de sucessos e de Feliz Natal. Todos/as nós afirmamos que esta época da maior Hipocrisia. Beijinho para cá, facada para lá...

Tudo é giro, mas é cantado..

Já dizia a minha avó e as outras: "Há quem ofereça um chouriço, a quem ofereça o Porco"

Todos nós que temos electricidade em casa, e que tenhamos televisão. Sabemos que antes do Natal, houve um mau tempo, que segundo alguns só São Pedro nos pode valer...

Voltemos às vésperas de Natal, onde devido ao mau tempo, muita gente ficou sem electricidade e internet. LOLOLOLOLOL

As velas, ainda não tem essa capacidade de fazer milagres...

Coitados/as(No bom sentido) daqueles que tem motores para tirar água de um poço e poderem ter água em casa...

Toda a zona do Norte, Matosinhos, Vila Nova de Gaia, Gondomar, etc etc foram das zonas mais afectadas. Logo se não há electricidade, não há internet...

Lá diziam as nossas avós: "Não há omeletes sem ovos"...

Uma Senhora questionou-me se eu sabia o estado do tempo em Barcelos?! Aqui o Je/moi même, eu mesmo: Falei das zonas afectadas, daquelas que foram mais fustigadas pelo mau tempo...

A Senhora questionou-me se eu sabia a quantos kms, ficava Matosinhos de Barcelos?!

Francisco: "E, o que eu tenho a ver com isso?! A Senhora está a ligar para Lisboa, onde temos electricidade e internet. Tem conhecimento de quantos KMS nos separa?!"

Lá saiu uma reclamação a meu favor. Cada vez mais longe, de chegar a um lugar de chefia. LOLOLOLOLOLOLOLOLOL

4 comentários:

Ricardo disse...

Caro Francisco,

Comecei agora a seguir o seu Blog, e a propósito deste seu post e das intempéries, ocorreu-me o seguinte poema, espero que aprecie:

O Valor do Vento

Está hoje um dia de vento e eu gosto do vento
O vento tem entrado nos meus versos de todas as maneiras e
só entram nos meus versos as coisas de que gosto
O vento das árvores o vento dos cabelos
o vento do inverno o vento do verão
O vento é o melhor veículo que conheço
Só ele traz o perfume das flores só ele traz
a música que jaz à beira-mar em agosto
Mas só hoje soube o verdadeiro valor do vento
O vento actualmente vale oitenta escudos
Partiu-se o vidro grande da janela do meu quarto

Ruy Belo

Abraços

Rúben disse...

Estavas irreverente ontem!! lol

Grande Abraço ;-)

Francisco disse...

Ricardo,

Obrigado pela visita e comentário :D

Podes tratar-me por tu lololol

Gostei bastante do poema,

Obrigado uma vez mais

Abraços

Francisco disse...

Rúben,

Eu?! Então?!

Abraço amigo