31 maio 2015

Bora rezar - MAXX "GET AWAY"

Como estamos na Era da Globalização, eu posso ensinar a um mulçumano (dentro dos mesmo moldes que o gajo da foto), como rezar um Pai Nosso e uma Avé Maria. Em contrapartida, ele poderá ensinar-me a rezar da forma como ele reza. Segundo dizem, os mulçumanos obrigam o povo a rezar...

Bom, com este gajo cá em casa. Era uma questão do tamanho do pente ou da pistola lolololololololololololol

Bom Domingo ;)







Adoro rezar em grupo ;) lololoolololol

6 comentários:

blueshell disse...

Não digo que não....hehehehhehe

Tudo se ensina....
Abraço

BShell

No Limite do Oceano disse...

É pena que a tatuagem na 1ª foto não dê para se ver bem. Não havia mais?! :-p

Francisco disse...

Blueshell


O importante é haver a força de vontade de aprender e de ensinar :)

Beijinhos

P.S -Não tenho conseguido deixar comentários no teu canto :(

Francisco disse...

No limite do Oceano,

Pena ele não se ter virado. Não consegui mais nenhuma foto...

Quem sabe um dia, não tenhamos essa sorte :D

João disse...

O primeiro é giro :)


R: Francisco, antes de mais, obrigado pelas tuas palavras. Como já deves ter compreendido, o conto ficou inacabado, propositadamente. Esta história terá continuação, daí não ter desenvolvido certos aspectos, como as relações gays e o sexo. Também foi propositado isso. Quis apenas dar um "cheirinho", levantar a ponta do véu, em relação à parte sexual da trama.

Esses serão temas que irei desenvolver na continuação. A ideia que quis transmitir com este conto foi que ele fosse mais uma peça de um grande puzzle, onde os leitores mais atentos poderão encontrar as pistas para criarem uma bela imagem - todos os contos que publiquei tinham algo em falta, que obrigava os leitores a lerem as restantes histórias, para assim poderem ficar a par de tudo. Isso também foi e é propositado.

Pelo meio, houve algumas variações - inicialmente o Kyle e o Razor já deviam conhecer-se até ao final desta primeira trama, mas achei mais interessante deixar esse encontro para a continuação, focando a história em pontos que considero importantes - as revelações dos deuses, a descoberta do passado de uma das personagens, o facto de deuses e humanos estarem interligados.

Houve também pormenores que mudaram ao longo do tempo em que estava a escrever, como foi o facto de me libertar do luto em que me encontrava, há imenso tempo... parecendo que não, isso deu logo uma completa "twist plot" à trama, que compreenderás com a continuação. ;)

E por falar nisso... a história tem continuação, mas não vou publicá-la nos blogues. Pelo menos, não tenho ideia disso. E, para te ser mesmo sincero, só mantive o meu blog aberto nestas últimas semanas por respeito e consideração a ti, para que pudesses ler o conto até ao fim. :)

[ Daí a mensagem final no blog, também! O conto termina com o filho de Neptuno incrédulo a dizer "Eu sou o quê?" ;) ]


Se não fosse para publicar o conto, já o teria fechado à algum tempo. Sinto que fiz com o meu blog tudo o que tinha para fazer. Talvez mudando de ares, indo escrever para outras paragens, quem sabe acabe por voltar a ter um blog?

Espero que tu continues a espalhar as tuas imagens de gajos podres de bons - embora eu seja adepto de gajos mais "simples", uma vez que tenho noção da areia que posso levar na minha camioneta! xD

Espero também que continues a escrever os teus posts sobre tudo e mais alguma coisa, gosto de te ler e de aprender com o que tu escreves. Tanta coisa que eu tenho aprendido com este canto! É muito bom! Devias pensar em criar um livro com muitos dos posts que escreves por aqui.

Um grande abraço,
João

Francisco disse...

João,

Fico com muita pena se deixares o teu canto. Mas, em última análise o canto é teu e farás com ele o que bem entenderes...

Também por diversas vezes, já pensei acabar com este canto. Só que aparecem sempre pessoas que começam a ler e que gostam e pedem mais...

Vamos ver, mas por enquanto continuarei por cá e espero que tu também :3

Grande Abraço amigo