11 setembro 2011

Belém 7 - Roxette "Vulnerable "

Quem me dera que em 1993, alguém me tivesse dito, o quanto nós homossexuais somos vulneráveis, aquando das nossas visitas nocturnas aos locais ditos como "locais de engate".

Infelizmente, eu fiz parte dessa imensa lista de "gays" assaltados e portanto à minha conta sei o que isso significa. Aos dias de hoje, lamento "Mas, já contribui para esse peditório no passado"

É verdade, os gays são uma "presa" fácil para assaltos e violações. Com uma grande facilidade, um gay vai atrás de um belo corpo, de um belo pau, o que seja. Quando se dá conta, tarde de mais. Já entrou no "covil do lobo".

HISTÓRIAS (INFELIZMENTE) REAIS:

Francisco (minha pessoa):
Decorria o final do ano de 1993. Saio do carro para ir ter com um rapaz giro. Acompanho-o ao longo da margem do rio em direccção à escola Naval de Belém. Quando dou por mim, sou encostado à parede por mais dois gajos. Levaram-me uma nota de 5 mil escudos que tinha na carteira, um fio de prata, o blusão e os ténis. Não me levaram os documentos do carro nem as chaves, porque um carro da policia tinha entrado naquele momento no recinto da estação. Era a rendição dos policias que fazem serviço na estação de Belém. Creio que tive alguma sorte...
Anos mais tarde, encontrei em Alcantara o rapaz que me assaltou. Nunca esqueci aqueles olhos. Mas, estava num estado lastimável. Droga, montes de feridas nos braços e no rosto. Ainda lhe dei cem escudos, para ele ir comer uma sopa.

BMW Preto
Decorria o ano de 1994/95. Todos os fins de semana, aparecia na estação fluvial de Belém um gajo dentro de um BMW preto. Nunca parava junto de nenhum carro. Ele só parava junto dos prostitutos que frequentavam o local. Muitas vezes, aquela situação, chegou a ser comentada por nós gays, nas nossas "reuniões de tuperewe".
Anos mais tarde, vim a saber através de um policia da "policia especial" que aquele fulano, apareceu morto na zona ribeirinha, onde actualmente é hoje a Museu da Electricidade.
Como o rapaz descendia de uma familia bem de Cascais, o caso foi omitido. Paz à sua alma

Costa da Caparica - Ano de 1999
O José, era um grande amigo meu naquela altura. Ele era meio louco. Adorava ir a "BlindDates". Um dia foi para a praia da costa, ao encontro de uma queca com um gajo que ele tinha conhecido no antigo MIRC. Creio que foi o primeiro chat gay em Portugal.
Quando lá chegou, estava um gajo encostado a um carro branco. O gajo estava a massajar o pau feito. O José quis ser lambão, quando se baixou para ir lá colocar a boca, levou um murro na tromba. Apareceram mais 7 gajos. Todos o foderam, e o José foi parar ao hospital. Sei que o José emigrou para Londres e nunca mais ouvi falar dele.

Cidade Universitária (meses atrás)
Soube através de umas quecas, que às vezes existe pessoal que é assaltado na Cidade Universitária. Havia em tempos lá um cigano assaltar o pessoal, mas que a policia já o apanhou.

No Jardins do Campo grande, também costuma haver montes de assaltos., não frequento este local de engate.

No Estádio Nacional,
Sei que por vezes aparecem uns chungas com uns pretos. Simulam que estão numa orgia, e depois assaltam o pessoal. Nunca entro nesses forróbodós, quando já estão num estado avançado.
Eu só subo para a mata, quando estão pelo menos 10 carros no parque de estacionamento.

A realidade é que se um gay for assaltado, ninguém ajuda. Todos os outros gays desviam caminho. É, um pouco como acontece na savana. Um leão pressegue uma zebra e as outras ficam a olhar pávidas e serenas. Não se mexem.

7 comentários:

pinguim disse...

Eu fui assaltado uma vez, por pura ingenuidade e nem sequer foi num local de engate; foi um engate de rua e depois eu fui totó...
Outra vez um tipo tentou, mas eu reagi bem, com muita calma e o tipo fodeu-se...
Histórias!

Miguel disse...

Enfim, é triste mas é o mundo em que vivemos... é o salve-se quem puder...

Francisco disse...

Pinguim & Miguel,

Infelizmente sim, são infelicidades que "viram" histórias, por vezes demasiado marcantes para algumas pessoas.

Abraço x 2

X disse...

Eu fui correr para um local que desconhecia ser de engate (não faço engates mas não tenho nada contra) e levei com um stick de hóquei nas costas. A seguir ia ser na nuca mas alguém do outro lado ligou os máximos e começou a barafustar. Eu corri e só parei ao pé da policia.
Abraço

Francisco disse...

X,

Obrigado pela tua visita e lamento essa situação

Forte Abraço, volta sempre

DYANNA TRAVEST disse...

ola ola... eu costumo ir ao engate do jardim do campo grande e nunca tive problemas, mas ja vi alguns pormenores por la, assalto, violencia ate mesmo por parte de 2 psp a paisana, mas enfim eu sou mt atento a tudo e nao costumo entrar em becos ou lugares mas escuros atraz de ninguem, daí vem o ditado (quando a esmola é demais o santo desconfia), ja que nós gays somos mas vulneravel tambem temos que ser mas atentos.

Francisco disse...

Dyanna Travest,

Obrigado eu pela visita e comentário
:D